ODiva

ODiva

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Feliz Natal e Magnifico 2010





Que neste Natal, antes de você perceber Jesus nas luzinhas que piscam pela cidade,
você O encontre primeiramente em seu coração.
E, à frente de qualquer palavra que expresse seu desejo de um feliz Natal,
O encontre em suas ações.
Que você lembre-se, então, de agradecer por ser uma pessoa
privilegiada em meio a um mundo tão contraditório!
Que você também encontre Jesus à meia- noite do dia 31
e sinta o mistério grandioso da vida, que renasce junto com cada ano.
Então festeje... festeje o ano que acabou não apenas como dias que se passaram,
e sim como mais um trecho percorrido na estrada da sua vida!
Festeje a alegria que lhe extasiou e a dor que lhe fez crescer!
Festeje pelo bem que foi capaz de fazer e pelo mal que foi capaz de superar!
Festeje o prazer de cada conquista e o aprendizado de cada derrota!
Festeje a esperança no ano que se inicia, no amanhã!
Festeje a vida!
Abra os braços do coração para receber os sonhos e expectativas do ano novo.
Sonhe, busque, espere... ame e reame!
Mentalize seus desejos mais íntimos e acredite: eles também chegarão ao céu.
Basta você querer de verdade, ter fé e nunca, NUNCA desistir deles!
E que seu ano seja, então, plenificado de bênçãos e realizações.
Feliz Natal e Próspero Ano Novo!!!






Mais um ano está chegando ao fim, e na beleza das noites iluminadas, os sonhos de muitos corações se preparam para a viagem à procura de suas realizações, que ocorrerá durante todo o ano vindouro.
A mesma ocorreu no ano que por hora se finda.
Sonhos saíram, alguns já voltaram sorrindo e outros, de mãos vazias, aguardam a chegada do novo ano, para seguir numa nova busca.
A realização para os sonhos de alguns, quase sempre, se perde na metade do caminho, mas, se Deus quiser, ainda terão muitos outros anos para encontrá-la.
Sabemos disso porque enquanto o ser humano tiver Ele do lado, fôlego de vida, família e amigos, estará no caminho certo e seus sonhos jamais deixarão de existir.
Desejo do fundo do meu coração que, cada vez que seus sonhos seguirem viagem, eles sempre voltem para sua vida transbordando de realizações.
Que o natal seja um passaporte para que seus sonhos embarquem na “Viagem das Realizações” do ano novo e que não voltem sem a conquista dos objetivos que motivaram a mesma.
E quando a meia-noite trouxer o Novo Ano para o mundo e os fogos de artifício anunciarem a sua chegada, nossos sonhos sairão por aí...
Que Deus tome a frente e que nas noites sem luar, as estrelas brilhem mais forte, iluminando o longo caminho.
Que no próximo ano possamos ainda ser amigos e esperarmos juntos a chegada dos nossos sonhos que partiram, comemorando com imensas taças de amizade verdadeira a vinda e a realização de cada um.

Deficienteé aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive sem ter consciência de que é dono do seu destino.

  “Loucoé quem não procura ser feliz com o que possui.
 “Cegoé aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.
“Surdoé aquele que não tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir uns tostões no fim do mês.
“Mudo” é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.
“Paralíticoé quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.
“Diabético” é quem não consegue ser doce.
“Anão é quem não sabe deixar o amor crescer.
 E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:“Miseráveis” são todos que não conseguem falar com DEUS.


Desejos - Victor Hugo
Desejo primeiro que você ame,



E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.


Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito


De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.
Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,


E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.


Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.


Desejo que você descubra,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.


Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.


Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga “Isso é meu”,
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.
Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.


Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar.



Instantes



Se eu pudesse viver novamente minha vida, na próxima trataria de cometer mais erros. Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais. Não mais tolo ainda do que tenho sido. Na verdade bem poucas coisas levaria a sério....
Seria menos higiênico..... Correria mais riscos, viajaria mais, contemplaria mais entardeceres, subiria mais montanhas, nadaria mais rios....
Iria a mais lugares onde nunca fui, tomaria mais sorvete e comeria menos lentilha. Teria mais problemas reais e menos problemas imaginários.
Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata e produtivamente cada minuto da vida; claro que tive momentos de alegria... Mas se eu pudesse voltar a viver trataria de ter somente bons momentos. Porque se não sabem, disso é feita a vida, só de momentos, não percas o agora....
Eu era um desses que nunca ia a parte alguma sem um termômetro, uma bolsa de água quente, um guarda-chuva e um pára-quedas; se eu voltasse a viver, começaria a andar descalço no começo da primavera e continuaria assim até o fim do outono. Daria mais voltas na minha rua, contemplaria mais amanheceres e brincaria com mais crianças...... se tivesse outra vez uma vida pela frente.
Mas vejam, já tenho 85 anos, estou cego e sei que vou morrer...


Jorge Luiz Borges

Mais um ano que termina,

Hora de Agradecer...
Entre milhões de possibilidades
Foi Você quem veio ao mundo,
Está aqui pra Vencer...
É dotado de inteligência,
Capacitado para escolher
As rotas que deve seguir...
A forma de encarar
As flores e os espinhos
Que no caminho encontrar...
Pois tudo é necessário
Para ajudar no crescimento,
A descobrir habilidades,
E as reais capacidades...
Se não existissem os espinhos,
Como teria amadurecimento...
Se eles compõem as barreiras,
Que você deve ultrapassar,
Ao perseguir cada sonho,
E não parar na estrada...
Porque Viver...e Seguir em Frente.
Levar as experiências,
Jamais desistir de lutar...
Sentir sempre um Vencedor,
Pra não se deixar derrotar...



Não estás deprimido, estás distraído.


Distraído em relação à vida que te preenche, distraído em relação à vida que te rodeia, golfinhos, bosques, mares, montanhas, rios.
Não caias como caiu teu irmão que sofre por um único ser humano, quando existem cinco mil e seiscentos milhões no mundo. Além de tudo, não é assim tão ruim viver só. Eu fico bem, decidindo a cada instante o que desejo fazer, e graças à solidão conheço-me. O que é fundamental para viver.
Não faças o que fez teu pai, que se sente velho porque tem setenta anos, e esquece que Moisés comandou o Êxodo aos oitenta e Rubinstein interpretava Chopin com uma maestria sem igual aos noventa, para citar apenas dois casos conhecidos.
Não estás deprimido, estás distraído.
Por isso acreditas que perdeste algo, o que é impossível, porque tudo te foi dado. Não fizeste um só cabelo de tua cabeça, portanto não és dono de coisa alguma. Além disso, a vida não te tira coisas: te liberta de coisas, alivia-te para que possas voar mais alto, para que alcances a plenitude.

Do útero ao túmulo, vivemos numa escola; por isso, o que chamas de problemas são apenas lições. Não perdeste coisa alguma: aquele que morre apenas está adiantado em relação a nós, porque todos vamos na mesma direção.
E não esqueças, que o melhor dele, o amor, continua vivo em teu coração.
Não existe a morte, apenas a mudança.
E do outro lado te esperam pessoas maravilhosas: Gandhi, o Arcanjo Miguel, Whitman, São Agostinho, Madre Teresa, teu avô e minha mãe, que acreditava que a pobreza está mais próxima do amor, porque o dinheiro nos distrai com coisas demais, e nos machuca, porque nos torna desconfiados.
Faz apenas o que amas e serás feliz. Aquele que faz o que ama, está benditamente condenado ao sucesso, que chegará quando for a hora, porque o que deve ser será, e chegará de forma natural.
Não faças coisa alguma por obrigação ou por compromisso, apenas por amor.
Então terás plenitude, e nessa plenitude tudo é possível sem esforço, porque és movido pela força natural da vida. A mesma que me ergueu quando caiu o avião que levava minha mulher e minha filha;
a mesma que me manteve vivo quando os médicos me deram três ou quatro meses de vida.
Deus te tornou responsável por um ser humano, que és tu. Deves trazer felicidade e liberdade para ti mesmo.
E só então poderás compartilhar a vida verdadeira com todos os outros.
Lembra-te: "Amarás ao próximo como a ti mesmo".
Reconcilia-te contigo, coloca-te frente ao espelho e pensa que esta criatura que vês, é uma obra de Deus, e decide neste exato momento ser feliz, porque a felicidade é uma aquisição.
Aliás, a felicidade não é um direito, mas um dever; porque se não fores feliz, estarás levando amargura para todos os teus vizinhos.
Um único homem que não possuiu talento ou valor para viver, mandou matar seis milhões de judeus, seus irmãos.
Existem tantas coisas para experimentar, e a nossa passagem pela terra é tão curta, que sofrer é uma perda de tempo.
Podemos experimentar a neve no inverno e as flores na primavera, o chocolate de Perusa, a baguette francesa, os tacos mexicanos, o vinho chileno, os mares e os rios, o futebol dos brasileiros, As Mil e Uma Noites, a Divina Comédia, Quixote, Pedro Páramo, os boleros de Manzanero e as poesias de Whitman; a música de Mahler, Mozart, Chopin, Beethoven; as pinturas de Caravaggio, Rembrandt, Velázquez, Picasso e Tamayo, entre tantas maravilhas.
E se estás com câncer ou AIDS, podem acontecer duas coisas, e ambas são positivas:
se a doença ganha, te liberta do corpo que é cheio de processos (tenho fome, tenho frio, tenho sono, tenho vontades, tenho razão, tenho dúvidas)
Se tu vences, serás mais humilde, mais agradecido... portanto, facilmente feliz, livre do enorme peso da culpa, da responsabilidade e da vaidade,
disposto a viver cada instante profundamente, como deve ser.
Não estás deprimido, estás desocupado.
Ajuda a criança que precisa de ti, essa criança que será sócia do teu filho. Ajuda os velhos e os jovens te ajudarão quando for tua vez.
Aliás, o serviço prestado é uma forma segura de ser feliz, como é gostar da natureza e cuidar dela para aqueles que virão.
Dá sem medida, e receberás sem medida.
Ama até que te tornes o ser amado; mais ainda converte-te no próprio Amor.
E não te deixes enganar por alguns homicidas e suicidas.
O bem é maioria, mas não se percebe porque é silencioso.
Uma bomba faz mais barulho que uma caricia, porém, para cada bomba que destrói há milhões de carícias que alimentam a vida.



Facundo Cabral











Poemas e letras de musicas



R e f l e x o Vivemos sempre procurando


" Me entrego
Ao amor e paixão
Desejos e sentimentos.
Intensos ou amenos
Longos ou passageiros
Visto-me deles.
Sou ... como você me vê,
Como me deseja.
Sou reflexo ...



Um encanto mágico
Que não se acabe ao beijar
E isso é raro...por isso
Eu me permito amar.


Fácil é dar um beijo

Difícil é entregar a alma
sinceramente



 QUANDO UMA MULHER AMA UM HOMEM


quando uma mulher ama um homem
ela não consegue pensar em mais nada
passa os dias a esperar por ele
passa as noites a sonhar com ele
quando uma mulher ama um homem
ela não tem fome e nem frio
fica com aquele olhar parado
vendo através de tudo e de todos
a imagem de seu amado
quando uma mulher ama um homem
ela é capaz de ouvir músicas, horas a fio
se emociona facilmente, por qualquer motivo
vê beleza em tudo que a rodeia
mesmo que nem tudo seja belo
quando uma mulher ama um homem
ela fica mais bonita, olhar brilhante
passa horas relembrando os momentos de amor
revive cada minuto que passaram juntos
e sofre por cada dia longe dele
quando uma mulher ama um homem
ela quer fazer de tudo para agradá-lo
abre mão de seu perfume favorito
muda a cor do cabelo, a cor do esmalte
e é capaz de mudar até seu guarda-roupa
quando uma mulher ama um homem
ela jamais pensará em outro
sua vida toda é dedicada a esse amor
e nada no mundo será mais importante
porque uma mulher quando ama, é pra valer
(inspirada na música When a man loves a woman-Vera Vilela)






Nada Fica sem Resposta


A vida nos cobra tomar decisões constantemente.
Cada escolha determina um fato no futuro.
Cada fato, uma vivência inadiável.
Cada experiência, uma mudança imposta.
Escolher é fácil quando nossos sentimentos e ilusões não estão envolvidos.
Somos livres para escolher nossas ações ,mas prisioneiros de suas conseqüências.
Todo momento é decisivo.
Temos que decidir sempre entre o que é bom e o que é mau,
entre nossas ambições desmedidas e nosso bom senso interior.
Por isso é preciso descobrir se teremos a coragem de ficar do lado de nossa alma ou se preferimos mentir para nós mesmos.
Mas, seja qual for a nossa escolha, lembremos que "nada fica sem resposta".
Luiz Gasparetto




Um anjo pra você!!!


Para iluminar seu caminho,
para colocar ordem na sua vida,
para você ter sempre a certeza,
de que ele está ao seu lado,
em todos os momentos.
Em qualquer situação,
na sua tristeza e na sua alegria.
E mesmo que você se esqueça dele as vezes,
ele estará sempre do seu lado,
lhe ajudando, lhe dando conselhos,
lhe conduzindo na sua estrada,
as vezes triste, as vezes alegre.
Ele sempre vai dar o melhor de si,
para lhe ajudar, e em troca disso,
ele só quer que você saiba dele,
que acredite nele.
Não precisa saber o nome do seu anjo,
basta lembrar dele como uma luz,
a iluminar o seu caminho.
E você pode ter certeza de que ele é assim,
uma imensa luz, que não se apaga nunca,
que não fica fraca,
que jamais perde sua força e seu brilho.
Um lindo anjo para você...
Que você possa contar com ele,


Sempre....sempre...




Anjo meu
Acordei
Pousando leve
Sobre a terra
Pra não esquecer
Que conheci o céu
Do teu lado.
(Sirlei L. Passolongo)



MINHA LUZ
Eu era, Dor, a alma rubra e inquieta,
A pomba predileta
Do prazer, da ilusão e da alegria...
Meu coração, alegre cotovia,
Saudava alvoroçado
O segredo da noite e a luz clara do dia,
Quando chegaste de mansinho,
Pisando sutilmente o meu caminho...
E eu te enxerguei, despreocupada,
Em meu engano, em minha fantasia:
Primeiramente,
Foste, austera e inclemente,
A um dos belos tesouros que eu possuía
E mo roubaste para sempre...
Em fúria iconoclasta,
Como o sim um que arrasta
As cidades repletas de tesouros
Confundindo-as no pó,
Foste aos meus ídolos mais caros,
Destruindo-os sem dó.
Prosseguiste, ó divina estatuária,
Na tua obra silente e solitária,
E quebraste
Minhas cítaras de ouro,
Meus mármores de Paros,
Meus cofres de alabastros,
Minhas bonecas de biscuí,
Minhas estatuetas singulares...
E humilhaste
Meus sonhos de mulher e de menina,
Que eu pusera nos astros
Em meio às melodias estelares!
Mas, desde que chegaste,
Foste a sombra divina
Que acompanhou meus passos ao sepulcro...
Tudo sofri,
Ó Dor, por te querer,
Porque depois que vieste
Qual pássaro celeste
Para abrir rosas de sangue no meu peito,
Encheste a minha vida
De um estupendo prazer, quase perfeito!
Aos poucos me ensinaste a abandonar
Meus prazeres fictícios,
Trocando-os pela luz dos sacrifícios!
Por tudo eu te bendigo, ó Dor depuradora,
Porque representaste em meu destino,
De alma sofredora,
O fanal peregrino
Que me guiou constantemente
Através das estradas espinhosas
Para as manhãs radiosas
Da Luz Resplandecente...
Sê, pois, bendita, ó Dor linda e gloriosa,
Pois da volúpia estranha dos teus braços,
Vim pelas mãos da morte complacente
Para a vida sublime dos Espaços!..
Sinto-me nascido a cada momento / Para a eterna novidade do Mundo....
Ter opiniões é estar vendido a si mesmo. Não ter opiniões é existir. Ter todas as opiniões é ser poeta.
Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido.
Inveja é sua forma incompetente de me admirar."




"No momento em que você tiver
em seu coração, esta coisa
extraordinária chamada AMOR,
e sentir a profundidade, a
delícia, o êxtase dele.
Você descobrirá que,
para você,
o mundo se transformou...
Tudo o que chega,
chega sempre por
alguma razão!!"
(Fernando Pessoa)





*´¨)



¸. • '. • *' ¨) ¸. • * ¨)


((¸. • '¸. •NADA ACONTECE POR ACASO!

Ser Feliz é deixar de ser vítima dos problemas e torna-se o autor da própria


História.
Aprendi que o silêncio é a melhor resposta quando se houve uma bobagem, que pessoas como a gente conquista mostrando o que somos, Que os verdadeiros amigos ficam com você até o fim, que perdoar é necessario. Muitas vezes é preciso chorar, aprendi que ninguem é igual a ninguém, que na busca de Serem todos iguais acabam se Tornando todos diferentes.
"A vida nos força Tomar Decisões constantemente.Cada escolha determina um fato sem experiência futuro.Cada, uma mudança imposta.Mas com certeza, o sincronismo se encarregará de colocar você no lugar certo, na hora certa, no momento certo, diante da situação ou da pessoa certa!




Escolher é facil qd nossos sentimentos e ilusões não estão envolvidos.Somos livres pra escolher nossas ações, mas Prisioneiros de suas Consequências!

O texto abaixo é bem interessante .***
De nada adianta querer apressar as coisas, vem tudo ao seu tempo, mas a natureza humana não é muito paciente ... Temos pressa em tudo, aí acontecem os atropelos da vida. Aquela situação que você mesmo provoca por pura ansiedade de não aguardar o tempo certo de DEUS.
Mas alguém poderia dizer ...
Mas certo tempo qual é esse?
Bom, os basta observar sinais ... Quando alguma coisa está para acontecer ou chegar até sua vida, DEUS, enviara sinais indicando o caminho certo ....
Pode ser a palavra de um amigo, um texto lido, qualquer uma observação ...




Não me perca de vista,

Não deixe que eu desapareça de sua vida,
Antes de precisar de mim ...
Não deixe que eu vá embora,
sem antes saber quem sou,
E quais os meus sonhos,
Sejam talvez os mesmos seus sonhos,
quem sabe ...
Não me perca nunca de vista,
mesmo que não esteja interessado agora,
Pode ser que um dia,
tenha saudades de mim.
Não me deixe seguir sozinha esta estrada,
sem antes saber se Gostaria de ir também,
Sem antes descobrir que é exatamente
O caminho que sempre procurou ...
Não me perca,
Talvez só eu POSSA ser pra você,
A chegada esperada,
O tão sonhado caso de amor,
uma linda e infinita história
E a realidade mais sublime de se viver ...
Mas não me perca,
Deixe-me ficar e esperar por você,
Esperar que você me chame,
que você precisa de minha companhia
que você tenha por mim todo seu carinho,
que você de repente descubra
Não me perca de vista,
Não deixe que eu desapareça de sua vida,
Antes de precisar de mim ...



Basta olhar no fundo dos meus olhos

Pra ver que já não sou como era antes
Tudo que eu preciso é de uma chance
De alguns instantes
Sinceramente ainda acredito
Em um destino forte e implacável
E tudo que nós temos pra viver
E muito mais do que sonhamos
Será que é difícil entender
Nós Porque eu ainda insisto em
Será que é difícil entender
Vem andar comigo ...


REFRÃO
Vem, vem meu amor
As flores estão no caminho
Vem meu amor
Vem andar comigo
Vem meu amor
As flores estão no caminho
Vem meu amor
Vem andar comigo
Será que é dificil entender
Nós Porque eu ainda insisto em
Sera que é dificil entender
Vem andar comigo
Vem, vem meu amor
As flores estão no caminho
Vem meu amor
Vem andar comigo
Vem meu amor
As flores estão no caminho
Vem meu amor
Vem andar comigo
Vem andar
uhuu ...
As flores estão no caminho
Vem meu amor
Vem andar comigo ...


(PALAVRAS AO VENTO)


PREFERIMOS NOS PERDER NUMA BUSCA INSANA POR RESPOSTAS imediatas Um SIMPLESMENTE NOS ENTREGAR A ADMITIRMOS QUE NAO SABEMOS, QUE TEMOS MEDO,! POR MAIS DOLOROSO QUE SEJA TER Q CONSTRUIR UMA MASCARA QUE NOS DISTANCIA CADA VEZ MAIS DO Q REALMENTE SOMOS, PREFERIMOS ASSIM: MANTER UMA IMAGEN Q NOS DE A SENSAÇÃO DE PROTEÇÃO .....E assim, vamos nos afogando mais e mais nas palavras falsas atitudes em falsas Falsos, em sentimentos.
pq nao sejamos pessoas mentirosas, más apenas pq nos perdemos nos mesmos e ja nao sabemos onde esta nossa Bandura, nosso amor mais intenso e nao contaminado. com o passar dos anos, um vazio escuro e frio nos faz perceber que ja nao dar nem saber pedir o que de mais precioso temos um compartilhar, doçura, compaixão .... a compreenção de q todos nos sofremos, nos sentimos sos, imensamente tristes e chorando baixinho antes de dormir num silencio q nos realmente uma uma saudade inesperada de nos mesmos. ... Daquilo que pulsa e grita dentro de nos, mais nao temos coragen de mostrar aquele que amamos!
Por que infelizmente, que aprendemos e melhor revidar, descontar agredir, acusar, criticar e julgar do que dizer simplesmente: vc esta me Machucando .... pode por favor parar?



Por que isso aprendemos que dizer e ser fraco, bobo e ser, e ser menos do qo outro. Qund na verdade se agissemos c / o coraçao poderiamos Evitar tanta dor, tanta dor ..... sugiro que deixe explodir toda nossa doçura! que consigamos prender o choro nao, nao Conter uma gargalhada, nao esconder tanto nosso medo nao tao desejar Parecer invencível.



Espero que consigamos nao tentar Controlar tanto, responder tanto, competir tanto

QUE CONSIGAMOS viver DESCENTEMENTE, sentir, AMAR .... E que voce nao seja tão RAZAO, mais tambem CORAÇAO, nao so um escudo, SENTIMENTO tambem mais.

SEJA TRANSPARENTE, APESAR DE TODO O RISCO QUE ISSO POSSA significar.



 
That's The Way It Is É Assim Mesmo Pois o amor vai conquistar tudo Pois o amor vai conquistar tudo ... tudo

I pode ler sua mente Posso ler sua mente
E eu conheço a sua história E conheço sua história
Eu vejo que você está passando () Eu entendo sim pelo que você está passando (sim)
É uma subida íngreme É uma escalada difícil
And I \ 'm sorry sentimento E sinto muito
Mas eu sei que vai vir até você (yeah) Mas eu sei que você vai conseguir (sim)
Não se rendam Não se renda
Porque você pode ganhar Porque você pode vencer
In this thing called love Nessa coisa chamada amor
(Refrão) (Refrão)
Quando você quer mais Quando Deseja Mais Você
Não há nenhuma maneira fácil para fora Não tem saída fácil
Quando você está pronto para ir Quando você Estiver pronto para partir
E seu coração deixou em dúvida E seu coração ficar na dúvida
Não desista de sua fé Não desista da sua fé
O amor vem para aqueles que acreditam que O amor chega Para aqueles que acreditam nele E essa é a forma como ela é E é assim mesmo
Quando você pergunta-me Quando você me questiona
Para uma resposta simples Por uma simples resposta
Eu não sei o que dizer (não) Eu não sei dizer o que não ()
Mas é fácil de ver Mas é evidente (que)
Se você ficar juntos Se você se mantiver firme
Você vai encontrar o caminho Você vai encontrar o caminho
Portanto, não se render Então, não se renda
Porque você pode ganhar poder vencer Porque você
In this thing called love nesta coisa chamada amor
(Refrão) (Refrão)


Quando Quando a vida é vazia uma vida vazia Estiver
Sem amanhã Sem amanhã
E a solidão começa a chamar E a solidão começar a chamar
Baby não se preocupe meu bem, não se preocupe
Esqueça sua tristeza Esqueça sua tristeza



Un Amour Pour Moi Um Amor Para Mim

Je vois le prenant ma main chaque jour de mes jours Eu o vejo pegar na minha mão Cada Dia dos Meus Dias
Je le vois bien caressant mes cheveux Eu o vejo Claramente acariciando meu cabelo
Je crois bien vaudrait viagem ce le detour Eu acredito que essa viagem tem seu valor
Et puis surtout je crois bien que je veux E acima de tudo eu acredito que eu quero
Un amour pour moi Um amor para mim
Comme un grand cadeau de la vie Como um grande presente da vida
Me reveiller un jour pres de lui Para eu acordar um dia perto dele
Un amour pour moi Um amor para mim
Comme un soleil après la pluie Como O Sol Depois da Chuva
Me rechauffer un jour pres de lui Para me aquecer um dia perto dele
J'écris mon histoire au tournant de sa principal Eu estou escrevendo minha história do giro de sua mão
Je me retrouve au tournant de son coeur Eu me achei na beira de seu coração
Et peut-être bien qu'un jour au tournant du chemin E um dia talvez na Estrada da cruva
Je trouverai au tournant du bonheur Eu encontrarei no caminho alguma felicidade
Un amour pour moi Um amor para mim
Comme un grand cadeau de la vie Como um grande presente da vida
Me reveiller un jour pres de lui Para eu acordar um dia perto dele
Un amour pour moi Um amor para mim
Comme un soleil après la pluie Como O Sol Depois da Chuva
Me rechauffer un jour pres de lui Para me aquecer um dia perto dele
J'écris mon histoire au tournant de sa principal Eu estou escrevendo minha história do giro de sua mão
Il écrit son histoire au tournant de mon coeur Ele esta escrevendo sua história na beira do meu coração
Et s'il veut m'attendre au tournant du chemin E se ele quiser me esperar na curva da estrada
Je le retrouverai au tournant du bonheur E eu não encontrarei o caminho da felicidade
Un amour pour moi Um amor para mim
Comme un grand cadeau de la vie Como um grande presente da vida
Me reveiller un jour pres de lui Para eu acordar um dia perto dele Un amour pour moi Um amor para mim
Comme un soleil après la pluie Como O Sol Depois da Chuva
Me rechauffer un jour pres de lui Para me aquecer um dia perto dele
De lui (bis)
Me reveiller chaque jour pres de lui


Dele
Para acordar um dia perto dele

SE EU FOSSE O SOL. UE BRILHARIA MINHA LUZ. IlUmInAr PARA O MUNDO.

Se eu fosse a chuva
Eu lavaria suas lágrimas
Manteria seu mundo Brilhante
Ser sua luz na noite
Se eu fosse o céu
Eu traria o amor pra sua vida
Se eu fosse o rio
Você seria meu oceano Cada Córrego me lavaria para seus braços e
Se eu fosse o rio
Eu fluiria pra você sempre
O amor correria pra sempre neste meu coração
Se eu fosse um rio
Se eu fosse o vento
Eu te levaria além das nuvens
E se eu fosse uma terra
Eu seria seu chão firme
Se eu pudesse, eu seria tudo o que você precisa
Eu seria seu mundo
Você é o meu único mundo
Se eu fosse o rio
Eu fluiria em Você Pra Sempre
O amor correria pra sempre neste meu coração





I'm Your Angel Eu Sou Seu Anjo



Nenhuma montanha é alta demais para você escalar Nem uma montanha é tão alta para que você escale
Tudo que você tem a fazer é ter um pouco de escalada fé, oh yeah Tudo que você tem que ter um é pouco de confiança
No rio é muito largo para que você possa fazê-lo através Nem um rio é a tão imenso para que você o atravesse
Tudo o que você tem que fazer é acreditar quando você orar Tudo que tem que fazer é acreditar na sua fé
E então você vai ver a manhã virá Então você verá, o amanhã chegará
E todos os dias serão brilhantes como o sol E todos os seus dias Serão brilhantes como o sol
Todos os seus medos lançá-los em mim Então todos os seus medos cairão sobre mim
Eu só quero que você veja Eu apenas quero te ver feliz, firme e forte ...


Eu serei sua nuvem acima no céu Eu serei sua nuvem acima do céu
Eu serei seu ombro quando você chorar Eu serei seu ombro quando você chorar
Eu vou ouvir a sua voz quando você me chama Eu ouvirei sua voz quando me chamar
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo
E quando toda esperança se foi, eu estou aqui E quando todas as suas esperanças tiverem ido embora, estarei aqui
Não importa o quão longe você está, estou perto Não importa o quanto você Esteja longe, estarei proximo
Não faz diferença quem você é Isso não mudará quem você é
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo
Eu vi suas lágrimas e ouvi você chorar Eu vi uma lágrima, e ouvi seu choro
Tudo que você precisa é tempo Tudo que você precisa é tempo
Buscai-me e você deve encontrar (Você) me procure que você, vai encontrar
Você tem tudo e você ainda está solitário Você tem várias coisas e ainda está sozinho
Ele não tem que ser desta maneira Este não tem de ser o Seu Caminho
Deixe-me mostrar um dia melhor deixe-me lhe mostrar o belo dia
E então você vai ver Então você verá
A manhã vai chegar o amanhã chegará
E todos os seus dias serão brilhantes como o sol E todos os seus dias Serão brilhantes como o sol
Assim, todos os seus medos (todos os seus medos) E todos os seus medos
Basta lançá-los em mim cairão sobre mim
Como posso fazer você ver Eu apenas quero te ver feliz, firme e forte ...
Eu serei sua nuvem acima no céu Eu serei sua nuvem acima do céu
Eu serei seu ombro quando você chorar Eu serei seu ombro quando você chorar
Eu vou ouvir a sua voz quando você me chama Eu ouvirei sua voz quando me chamar
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo
E quando toda esperança se foi, eu estou aqui E quando todas as suas esperanças tiverem ido embora, estarei aqui
Não importa o quão longe você está, estou perto Não importa o quanto você Esteja longe, estarei proximo
Não faz diferença quem você é Isso não mudará quem você é
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo
E quando é hora de enfrentar a tempestade para quando é o momento de encarar uma tempestade
I'll be right by your side Estarei ao seu Lado
Grace vai manter-nos seguros e quentes Ficaremos seguros e aquecidos
E eu sei que nós vamos sobreviver Eu sei que nós Sobreviveremos
E quando parece que se Quando Parecer
Seu fim está próximo (fim está próximo) seu fim está próximo
Não ouse desistir da luta (Oh não) Você não ousará desistir de lutar
Apenas coloque sua confiança além do skys Você apenas colocará sua confiança além do céu.
Eu serei sua nuvem acima no céu Eu serei sua nuvem acima do céu
Eu serei seu ombro quando você chorar Eu serei seu ombro quando você chorar
Eu vou ouvir a sua voz quando você me chama Eu ouvirei sua voz quando me chamar
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo
E quando toda esperança se foi, eu estou aqui E quando todas as suas esperanças tiverem ido embora, estarei aqui
Não importa o quão longe você está, estou perto Não importa o quanto você Esteja longe, estarei proximo
Não faz diferença quem você é Isso não mudará quem você é
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo
Eu sou seu anjo Eu sou seu anjo

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

POR QUE PERDOAR ?


Tenho pensado muito no tema perdão. Talvez por ter hoje consciência dos males que a mágoa, o ressentimento podem causar para a nossa saúde. Acredito que sempre mantivemos uma relação de amor e ódio com o perdão. Primeiro porque perdoar significa muito mais do que fazemos, dizemos que perdoamos, mas sempre nos lembramos de algo que nos magoou ao ter contato com o objeto que o provocou. Segundo porque representa para nós uma “vingança” estar sempre saboreando o acontecido. Não perdoar, soa como se castigássemos aquele que nos provocou a dor. Alimentamo-nos com a lembrança do sentimento como se quiséssemos dizer para o outro “olha estou sofrendo, veja o que fez, é sua culpa”.

È muito comum em casais que se separam e um deles, ou os dois, ao não assumirem a separação com certo grau de amadurecimento, fica preso ao que já acabou, transferindo a responsabilidade de ser feliz ao parceiro. Numa eterna troca de acusações, cheias de ressentimentos e mágoa.


Fred Luskin em seu guia O Poder do Perdão, usa uma imagem para identificar como os problemas não solucionados na nossa vida se comportam, e entre eles, as situações que não perdoamos e a permanecemos na nossa vida. Diz que são como aviões que voam dias e semanas sem pousar, consumindo recursos que podem ser necessários em casos de emergência. Os aviões de rancor se convertem em fonte de stress, de descontrole emocional, de pânico e outras doenças mais. Por isso, ele diz ainda, que o perdão é para nós mesmo e não para o outro, que muitas vezes nem sabe que nutrimos esse sentimento por ele. Ao perdoar, a idéia é nos livrarmos do passado, colocá-lo que lugar que tem, o que já passou, é viver hoje, sem os rancores para confundir as experiências do presente.


De uma experiência de muito sofrimento, fica mais difícil a superação e é necessário que tenhamos uma reserva, um espaço de liberdade interior que nos autorize a não se submeter às feridas, este é a chamada “resiliência”, conceito utilizado pela psicologia, tirado da física. A resiliência consiste na capacidade de superar as adversidade e ser forte durante as crises.
Há muitos exemplos de pessoas que passaram por grandes sofrimentos e superaram, perdoaram e tiveram vidas felizes, e há outras que persistiram no sofrimento que acabaram doentes e com fim trágico.
Pesquisas comprovam que não perdoar, ficar preso ao sofrimento, além do mal a saúde espiritual, faz mal ao físico, principalmente ao coração. E que a resiliência, capacidade de superar o sofrimento e perdoar, pode ser aprendida. Para que crianças desenvolvam a resiliência, é fundamental que tenha sido amadas, cuidadas, respeitadas, alimentadas, são experiências positivas que desenvolvem espaços de liberdade, de não submissão à adversidade. Para os adultos que não desenvolveram este espaço, o perdão é um dos ingredientes fundamentais.


Que aprendamos a perdoar, para a nossa própria felicidade e para a felicidade de quem amamos.


Cenir A.S.Montanher – novembro/2009





sábado, 21 de novembro de 2009

Lealdade e fidelidade são a mesma coisa?



Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável e não uma personalidade. É necessário que adquira um sentimento, um senso prático daquilo que vale a pena ser empreendido, daquilo que é belo, do que é moralmente correto" (Albert Einstein)


" Fidelidade ou lealdade?
(por Daniela Pessoa  11/02/2008 )

O peso de cada um no seu relacionamento.


Infidelidade, deslealdade. Duas palavras capazes de arrepiar até as mulheres mais duronas, seguras de si, e os homens mais vaidosos. Não à toa! Quando a gente fala em casamento, impossível não pensar em casal, em dois. Vida a dois, planos a dois, preocupações a dois e ponto final. Terceiros não são bem-vindos, assim como mentiras e omissões. É aí que as coisas começam a se complicar, porque, se considerarmos que lealdade e fidelidade não têm o mesmo significado na relação amorosa, existe, de fato, uma linha muito tênue entre um e outro. Mas há quem diga que são exatamente a mesma coisa. O debate está aberto! De que lado você está?

Tente se autoavaliar e saber o grau do seu ciúmes, conhecer permite lidar melhor com qualquer limitação ;

Fidelidade é cultura

É certo que fidelidade tem muito mais apelo na nossa cultura, inclusive pela conotação sexual da expressão. "Se buscarmos lá atrás, em tempos mais remotos, vemos que fidelidade tem a ver com a virgindade das mulheres. Era a garantia que o homem tinha de que os filhos seriam realmente seus legítimos herdeiros", conta o psicólogo e professor da PUC-SP Antonio Carlos Amador, autor do livro Ou eu, ou ela (Editora Harbra).

“Acho que existem dois tipos de traição, a sexual e a moral. Nem sempre quem é infiel é desleal. Eu, por exemplo, perdoaria uma traição sexual, mas nunca uma deslealdade, que é quando você confia em alguém e este alguém lhe apunhala pelas costas”
Mas antigamente, pasmem, ser fiel não era, digamos, de praxe em algumas sociedades. Os casais de Esparta, na Grécia, não davam a mínima para o adultério. Pelo contrário: ele era praticado sem pudores para combater o ciúme excessivo. E nem a Igreja Católica segurou as francesas de Savóia! Uma vez por ano, elas se reuniam para visitarem tabernas e se encontrarem com outros homens. Todas, atenção, com o consentimento dos respectivos maridos.
Mas os tempos mudaram. Falar, hoje, em traição, seja como contrário de fidelidade ou de lealdade, é quase como provocar uma centelha num terreno altamente inflamável e explosivo. Por outro lado, a psicóloga Maria Alves Bruns (www.sexualidadevida.com.br) explica que fidelidade e lealdade têm muito mais a ver com o pacto que o casal estabeleceu para si do que com qualquer outra coisa. "Ser fiel e ser leal são dois atributos complementares que andam sempre de mãos dadas. No meu entendimento, para ser leal é preciso ser fiel e vice-versa", diz a psicóloga. Mas ela admite que nada no mundo dos relacionamentos amorosos é tão simples assim e que tudo depende do modo como o casal acerta certas regras da relação.

O que eles e elas pensam


Para Elaine Cristina Pires, advogada, há toda a diferença do mundo entre uma coisa e outra. "A fidelidade diz respeito ao relacionamento, enquanto a lealdade é um sentimento maior e mais individual", explica. Ela acredita que, para uma pessoa ser leal à outra, é preciso, em primeiro lugar, ser leal a si mesma. "Acho que a lealdade vem antes de tudo, porque alguém pode ser infiel, mas leal, como também pode ser completamente desleal, sem nunca ter sido infiel", opina Elaine Cristina.

"Leal a si mesma e infiel ao outro? Então é possível trair, mas continuar sendo leal ao casamento?", indaga Kátia Santana, administradora de empresas. "Isso, a meu ver, não existe. Quando a pessoa é infiel, de tabela acaba sendo desleal. Quando se trai um amigo ou um amor, você está sendo infiel e desleal: infiel com o amigo ou parceiro, e desleal consigo mesma", defende.

Fred Peixe, autônomo, discorda. Na opinião dele, fidelidade tem mais a ver com interesses sexuais e lealdade está relacionada a valores, personalidade, caráter. E confessa: "Sou casado há 25 anos, louco
apaixonado pela minha esposa, entretanto acho que ela não tem mais atração sexual por mim. Sou um homem saudável, preciso e tenho vontade de ter uma vida sexual ativa, então às vezes fico com outras mulheres, mas nada sério - e nem quero! Vou terminar meus dias com a minha esposa". "Acho que não sou infiel, sou?", completa.


Situação parecida mexe com a vida do empresário Marcos Lopes*, um homem casado, sim, mas só até pisar em seu escritório. Lá, Marcos não se intimida: assiste a filmes pornôs e solta todas as suas feras em cima de quem ele está interessado. Para ele, rapidinhas no escritório não são traição e só seriam se ele levasse as mulheres para o motel. Segundo Marcos, que apesar de se considerar leal ao casamento enfrenta dilemas de consciência, a carne é fraca.

De acordo com o psicólogo Antonio Carlos Amador, isso reflete bem a nossa sociedade. Entre lealdade e fidelidade, ele conta que as mulheres em geral ficam com a lealdade, porque aprenderam, por um processo cultural, a relevar a traição carnal do marido. "Não viu o que a mulher do Renan Calheiros disse por esses dias? ‘Não sei como ele foi cair nessa', mas perdoou. A culpa sempre recai na amante e não no marido", diz o psicólogo. De acordo com ele, o problema é quando o homem dá afeto à outra. "Para a maioria delas, aí sim é deslealdade", diz Antonio Carlos. Já o homem tende a se preocupar mais com a fidelidade sexual. "É inconcebível que a mulher tenha prazer com outro", afirma Antonio Carlos.

Mas Fred Peixe, por exemplo, diz que nunca perdoaria sua mulher se ela colocasse nele um par de chifres. "Acho que existem dois tipos de traição, a sexual e a moral. Nem sempre quem é infiel é desleal. Eu, por exemplo, perdoaria uma traição sexual, mas nunca uma deslealdade, que é quando você confia em alguém e este alguém lhe apunhala pelas costas", afirma. De acordo com ele, ser fiel sexualmente mas tentar sabotar o parceiro de alguma outra forma é o que há de pior numa relação.

Pois é, ao que parece, é possível ser fiel e leal, infiel e leal, fiel e desleal e infiel e desleal. Confuso, não? O tema é mesmo complexo, mas acontece que para descomplicá-lo é simples: basta conversar.

Acordos, regras e compromissos

"Todos os relacionamentos existem com base em pactos de confiança", ressalta a psicóloga Maria Bruns. Segundo ela, o casal deve estabelecer quais são as regras do jogo. "Isso porque, afinal, o que é infidelidade ou deslealdade? Trocar olhares, paquerar platonicamente, marcar um encontro, trocar beijos?", pergunta. E elucida: "Depende do casal e do compromisso que cada um tem com o parceiro".

Selados os acordos entre o casal, qualquer ruptura pode ser considerada uma infidelidade. "O infiel é aquele que não cumpre o que foi combinado", explica Antonio Carlos Amador. "E quem é desleal mente, é desonesto, não é sincero, o que configura a traição", completa. Maria Bruns confirma: "Traição é aquilo que você faz sem o outro saber, às escondidas, quebrando o compromisso de lealdade".

Para muitas pessoas, a lealdade é importante porque ela tem a ver com amizade e cumplicidade. "Se o relacionamento sobrevive ao tempo, se o sexo deixa de existir ou não existe com tanta freqüência, outros sentimentos, como amizade e lealdade, acabam por manter unido o casal que se ama", acredita a advogada Elaine Cristina.


Portanto, se o casal decide estabelecer novos pactos, como o de relacionamento aberto, se permitindo escapadinhas extraconjugais, então estão sendo leais e fiéis ao que combinaram. Às vezes lealdade é, também, ver que a relação não está mais dando certo e partir para outra, sem correr o risco de trair ou de machucar alguém, de repente você mesma.


Fidelidade, lealdade... A lição que fica dessa história toda é que o importante é, acima de tudo, verdade e respeito.


Acho que não. Penso que lealdade é um sentimento maior, individual, independente do outro. Um sentimento meu, pra mim, por mim. Fidelidade é coisa externa, de mim para o outro. Alguém pode ser infiel, mas leal, assim como também pode ser completamente desleal, sem nunca ter sido infiel.


Qualquer relacionamento, seja amoroso ou de amizade, existe com base em pactos de confiança. Romper esse pacto, inevitalmente resulta em traição. Uma pessoa comprometida com outra, quando se envolve com uma terceira, por exemplo, está sendo infiel. Comete uma traição sexual,


mas não necessariamente é desleal, já que tem a possibilidade de colocar as cartas na mesa e levar adiante o relacionamento, dependendo do acordo que se obtenha entre ambos. Pode, inclusive, nem tomar atitude alguma, mas continuará sendo leal se houver respeito, se as bases do relacionamento são mantidas dentro do compromisso assumido.




Por outro lado, um parceiro que jamais se envolveu com uma terceira pessoa, mas mente sobre diversas coisas e esconde outras tantas (tipo conta bancária, por exemplo), é desleal e comete uma traição moral. Essa sim é triste e muitas vezes imperdoável, na minha opinião. Porque entre pessoas que se querem bem, sejam parceiros amorosos ou amigos simplesmente, é fundamental haver companheirismo e honestidade.


Um bom exemplo da diferença que há entre lealdade e fidelidade se encontra na lenda celta "Tristão e Isolda", onde o amor de um rapaz por uma moça supera o sentimento de gratidão e devoção de ambos para com o pai adotivo dele que é esposo dela.


Fidelidade, lealdade... O importante, acima de tudo, é que prevaleçam sempre a verdade e o respeito.


Nunca parei para pensar na diferença. Menos ainda se ela existia. Acho que sempre pensei serem sinônimos mas tenho agora uma outra visão.


Lealdade está ligada a caráter e fidelidade a comportamento embora a lealdade seja consequência da fidelidade aos princípios, conceitos e crenças.

Mas tenho certeza de que aquele que é notadamente leal, é fiel e inspira credibilidade e isto é o melhor que se pode dizer de alguém.

Lealdade é coisa séria.



Comportamento : Ciúmes


Resolvi Estar postando sobre o ciúmes, porque tenho visto muitas pessoas acabarem com grandes relacionamentos, pois foram se deteriorando devido a sentir uma posse exagerada do outro. O ciúmes chega num ponto tão doentia que uma das partes deseja saber o que o outro pensa, sente e isso faz com que a outra parte sinta-se cobrada, sufocada. Para o ser humano é complicado lidar com o medo da perda, a auto-estima abalada , faz com que vc crie a crença de que todas as pessoas são melhores que vc, portanto serão priveligiadas, terão como ter o amor do nosso objeto amado e nós o perderemos. Causa tortura, agonia e muitos males. Em caso exagerado de ciúmes, temos visto casos recentes na mídia por agressão, morte. Quando o excesso de ciumes toma conta, a pessoa necessita de acompanhamento especializado , pois há um aumento do sofrimento psiquico, Hoje em dia há grupos terapeuticos , anonimos dos quais as pessoas possuem uma maior privacidade e não seja tão cobrada pelos outros, realizando um tratamento com dignidade , exercendo sua confiança. ( esse parágrafo são citações minhas..o resante dos seus respectivos autores)
Alguns dizem que o ciúme é o amor possessivo. Mentira. Deslavada mentira. O amor jamais é possessivo. I Coríntios 13:4-5 A caridade é sofredora; é benigna; a caridade não é invejosa; a caridade não trata com leviandade; não se ensoberbece;Não se porta com indecência; não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal.



Ao procurar as razões do ciumento, vamos encontrá-lo mergulhado desde a sua infância com ciúmes de seus carrinhos, suas bonecas, dos seus pais, do seu cachorrinho de estimação...


E invariavelmente o ciumento tem baixa-estima, e julga-se ultrajado, desprezado e é extremamente possessivo. Ao se relacionar no casamento, com o seu cônjuge ele o tem como sua propriedade exclusiva e invariavelmente torna a vida em comum um suplicio e um tormento para ambos.


O que você acha do "Cíumes"?


É comum o cônjuge do ciumento passar a vida toda justificando o que não fez, e somente o faz para ter ou obter um pouco de paz, e pensa que no dia seguinte tudo vai voltar ao normal. Ledo engano. Novamente o ciúme vai eclodir tornando tudo áspero e obscuro. Quantas vezes tantos são acusados sem nada ter feito, ou condenados sem culpa alguma. Sofrem muito, tudo por causa dos ciúmes.


Cíumes é pecado como outro qualquer,quem o tem deve saber que tem que ser tratado.


O ciumes não provém de Deus.


Tudo que é ruim,não provém de Deus,e o ciúmes não é bom!


Você deve estar se perguntando o que fazer? Certamente a Bíblia tem as respostas necessárias para tratar o problema. I João 1:9 "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça". Ai esta o segredo de como tratar o ciúme e conseqüentemente o ciumento: tratar o ciúme como pecado e todo pecado deve neÉ isso aí meu amor!!!


Deus não se agrada de ciúmes,nós que cremos na palavra de Deus e que os demônios estão querendo de qualquer forma desestruturar e estragar um relacionamento,ai vai uma grande dica;é só confessar os vossos pecados e ele é fiél e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar. necessariamente ser confessado


O ciúme


O ciúme é um sentimento doloroso que as exigências de um amor inquieto, o desejo de posse da pessoa amada, a suspeita ou a certeza de sua infidelidade, fazem nascer em alguém. Muitos confundem o ciúme com a inveja, achando que são a mesma coisa, o que é um erro. A inveja é um desgosto ou pesar pelo bem ou felicidade do outro; é desejar, cobiçar o que é do outro. Portanto, diferente do ciúme, embora o lembre.


Cremos que nenhuma pessoa pode afirmar, em sã consciência, que nunca teve ciúme. A própria existência, que é uma sucessão de relacionamentos, faz com que o ser humano se apegue a alguma pessoa, fato ou coisa, cedo ou tarde, estabelecendo, deste modo, uma condição de posse, de propriedade ou de amizade. Quando, por “n” motivos, nos apegamos a uma pessoa ou algo, sentimos forte necessidade de estarmos juntos a esta pessoa ou coisa desejada.


O sentimento do amor, por exemplo, só atinge o auge, verdadeiramente, quando ocorre um retorno desse sentimento ao objeto ou pessoa amada. Obviamente, excetuando o amor platônico que é um sentimento meio estranho e difícil de ser compreendido, o ciúme é também uma demonstração de amor, principalmente, daqueles menos confiantes em si mesmos - nos inseguros - e nos que se sentem inferiores à pessoa amada, neste ou naquele sentido. A pessoa que sofre as pressões do enciumado não se agrada desse procedimento, por maior que seja seu amor. Quando o ciúme é moderado (e muitas vezes, consentido) as duas partes se conformam, mas, quando é exagerado, aborrece e angustia, podendo acabar com o relacionamento.


Quando duas pessoas se amam verdadeiramente podem viver um romance totalmente destituído de ciúmes, desde que sejam centradas e resolvidas, confiantes em si mesmas. A confiança na fidelidade de um companheiro pode ser total e absoluta, sem nenhum resquício de ciúmes, quando há amor verdadeiro e respeito mútuo. Todavia, por maior que seja a confiança, ela nunca é totalmente destituída de ciúme, já que o ciúme manifesta sempre o pensamento de posse de algo valioso que, às vezes, corremos o risco de perder. Pelo menos é assim que pensa o enciumado.


O ciúme em doses certas não deixa de ser uma prova de amor. Mas, a total ausência de ciúme provoca, no mínimo, desconfiança de que não se é amado. Imagine o que deve passar pela cabeça de uma pessoa que tem um grande amor por alguém e percebe que a pessoa amada é totalmente destituída de ciúme. Pensamentos do tipo “será que ela me ama mesmo?” “Como ela pode ser assim?” “Não tem um pingo de ciúme de mim, por mais que eu dê motivos”. Este tipo de atitude é demonstração de grande confiança no amado ou demonstração clara de que não se tem amor e pouco se liga para este fato.


Um dos grandes causadores do ciúme é a comparação, que é bem mais acentuada nos que são acometidos pelo sentimento da inveja. Quando nos comparamos às demais pessoas, sempre encontramos alguém que possui um carro melhor, um corpo mais bonito, ou um rosto mais bonito, mais dinheiro, uma personalidade mais forte e por aí vai. Surge então o sentimento da inveja que, como já foi dito, é diferente. O ciúme tem a ver com amor, amizade, bem querência por alguém. Inveja é um sentimento que melhor se coaduna com o mau caráter, o incapaz, o despreparado, embora se manifeste também na pessoa de boa índole. A inveja é extremamente destruidora, o ciúme nem tanto. A inveja revela o lado ruim de cada um, o ciúme, apesar de todos os dissabores que provoca, revela um amor recôndito, ou, no mínimo, uma necessidade da presença daquilo ou daquele que motivou o ciúme. A inveja, é sempre um sentimento negativo, destrutivo e lamentável; já o ciúme, é sempre um sentimento de insegurança, de medo, mas que traz sempre junto uma carga de amor, pequena ou grande.


Registre-se ainda que, o ciumento contumaz vive num inferno. Já a pessoa que respeita a si mesma e compreende as péssimas conseqüências do ciúme, descarta-o da sua vida, concluindo que os resultados da sua ausência num relacionamento, são infinitamente melhores e edificantes.


Portanto, ame e confie. Se não der certo, parta para outra. Não se submeta ao ciúme, que é sempre uma manifestação de fraqueza e inferioridade.


Membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil, membro da Sala de Letras Gabriela Mistral de Petrópolis, professor de Motivação Pessoal, escritor, contista, cronista e articulista político de vários jornais. E-mail: ebenezeranselmo@yahoo.com.br



A independência econômica de ambos os sexos, a vida agitada desdobrando em inúmeros papéis, faz com que cada vez mais as pessoas tenham menos tempo para compartilhar, desabafar , provocando um distanciamento até mesmo entre pessoas casadas. O mal do século é sem sombra de dúvida a solidão.
 Fator da máxima contradição humana; tendo a função de afastamento de uma decepção, ao mesmo tempo em que gera uma carência abissal nas necessidades afetivas do sujeito. Infelizmente nenhum método de educação ensina alguém sobre a dificuldade num relacionamento.


O Maior inimigo de qualquer casal é o ciúmes :
É errada pesar que o ciúmes é o tempero do amor.Deve ser pensado como o tempero da discórdia.Pensar que o outro sentindo ciúmes significa ter importância para o outro , também é uma forma errônea.
Acredito que É verdade que "Quanto mais amor, muito menos ciúme. Quanto mais


amor, é possível até não existir o ciúme."? Por que?
 O amor em si, puro e verdadeiro, ou seja, diferente de muitos "amores"
que existem por aí, é um sentimento que combate determinados erros
nossos. Explicando melhor, o amor quando é verdadeiro não há espaço para
coisas pequenas como o ciúme, porque ele como sentimento nobre, nos
envolve de certa forma que fica quase impossível vivê-los ao mesmo tempo.
Podemos assim dizer que o ciúme é a falta ou o uso incorreto do amor.
A paixão e sedução contidas na questão do amor encerram quase sempre elementos de poder, disputa e controle sobre o parceiro. O sentir-se “embriagado” pela paixão diz muito mais da necessidade de fuga das pessoas para a grande infelicidade vivida no dia a dia, assim sendo, tal fenômeno age como uma espécie de droga ou narcotizante da falta de sentido em relação a outro drama moderno, a rotina. A sedução atua quase sempre no predomínio estético ou sexual sobre determinada pessoa. É o uso intencional de um instrumento condicionado e valorizado pela sociedade, objetivando a adulação das características narcisistas do sujeito. Em tese também podemos definir que tanto a paixão quanto a sedução são uma espécie de rebelião ou protesto inconsciente contra a inevitável morte ou insatisfação no relacionamento. Tentam passar um ápice de uma durabilidade do gozo ou êxtase absolutamente questionável.


sedução é a mais tenra ilusão de que o outro detém a chave perfeita para a satisfação completa de nossos desejos, e sempre nos esquecemos que preço o mesmo irá cobrar por tal tarefa; já a paixão é o sonho máximo de que seremos correspondidos constantemente, de que jamais poderá haver uma desaceleração da vontade e prazer.


sensibilidade abre outro terreno árduo para sua compreensão plena. Freqüentemente é cobrada por um ou ambos os parceiros, embora mais tarde se queixem de seus efeitos colaterais. Outro grande erro é achar que a mesma só se manifestaria no pólo positivo, quando a grande verdade é que funciona como uma esponja que absorve todo tipo de amargura ou mazela emocional. Não basta apenas perceber o problema da contradição, dialética ou a oposição nos diferentes tipos de vivências e sentimentos, mas, sobretudo, enxergar como foram construídos no decorrer de nossa história de vida. O amor existe e sem nenhuma dúvida é uma necessidade vital, o grande problema é sincronizar sua dose, pois ambos os pólos descompensados podem ser fatais; tanto a falta que gera a mais pura carência, ou o que alguns acham que seja seu superlativo, o ciúme, também totalmente destrutivo em quase todas as relações. O importante não é e nunca foi à definição do que seja o amor, mas apenas a raridade do fenômeno nas diferentes culturas e épocas. O romantismo, a poesia e outros adornos apenas deram pistas ou serviram de muletas na construção de tão complexo sentimento humano. A tese central deste texto é exatamente a ligação do desejo ou necessidade com outras tarefas que são colocadas concomitantemente para a pessoa; mas como somos na maioria das vezes extremamente alienados, achamos que resolveremos um problema de cada vez.




que precisa ser pesquisado é justamente como e quando alguém consegue obter a experiência do amor. Alguns advogam que o mesmo aparece após a vivência dolorosa de experiências desagradáveis, se mantendo intacta a esperança e fé do sujeito no seu potencial afetivo, diria que é algo bem raro em nossa atualidade, dominada por um rancor borbulhante em relação ao passado de frustração e mágoa. Estes dois últimos sentimentos produzem uma impermeabilização completa em relação a qualquer nova tentativa de entrega. Nossa era está repleta dessa absurda neurose, sendo que se procura a mais absoluta perfeição ou garantia para após começar a suposta troca. Tal prática nefasta revela não apenas o medo exposto anteriormente de uma nova frustração, mas que a pessoa que se deixou abalar não tem condição alguma para a experiência do amor, justamente por essa fragilidade e incapacidade de lidar com a perda. É uma criança completa no plano emocional, tentando forçar uma adequação às suas expectativas estéticas ou econômicas. Obviamente tal indivíduo não almeja em hipótese alguma a contemplação do amor, mas exclusivamente a veneração de seu conteúdo ambicioso e egoísta, com a desculpa de que é alguém especial e que precisa valorizar a si próprio, quando na verdade está o tempo todo participando de uma espécie de leilão de suas emoções.


Na verdade todas as barreiras citadas que impedem a verdadeira troca dizem de um ser que não deseja expor sua fragilidade, justamente por se considerar inferiorizado no plano emocional, e concomitante medo de ficar envolvido, pois para tal tipo de pessoa tal fenômeno é uma derrota, pois vê todo o relacionamento sobre a ótica do poder ou quem domina em tal esfera; então para fugir do conflito busca exigências irreais. Boa parte da procura da estética se encerra neste quadro, se escondendo uma grande deficiência afetiva embaixo de uma perfeição corporal sancionada pelo sistema de consumo.


Muitos especialistas definem amor como uma experiência em que há maior empenho na satisfação do outro do que com suas próprias necessidades. Embora tal conceito seja louvável do ponto de vista humanista, diria que além desta capacidade inata para perceber o outro, muito mais importante é ter a certeza do potencial afetivo da pessoa que se ama, tendo a confiança de que a mesma reagirá com gratidão quando devotarmos para ela os mais nobres investimentos de nossa alma; ao contrário da inveja e incômodo que muitas pessoas demonstram ao serem ajudadas ou amparadas; enfim o desafio de todos é aferir se o outro também é capaz não apenas de trocar, mas se valoriza aquilo que o parceiro julga ser suas qualidades mais profundas. A baixa estima é um câncer para o processo afetivo. Nenhuma chama permanece acessa sem o incremento de determinado combustível. A derrocada amorosa se dá quando um dos dois apenas almeja retirar sem repor, ou o outro também não faz a mínima questão de crescer ou vivenciar algo novo. O problema de alguém se tornar insensível não diz apenas de uma fuga perante o medo do sofrimento, pois todos querendo ou não passarão por tal infortúnio; o que ninguém admite é vivenciar algo único, sendo assim a chamada opção por não ser sensível (do ponto de vista positivo como expliquei acima), é se afastar da sensação de solidão que um sentimento intenso produz. Quase ninguém almeja ser pioneiro no terreno emocional, a liderança e poder se focam no plano material. A prova maior disso tudo é que sempre um dos parceiros se queixa de que o outro doa muito menos na relação, como se estivesse se preparando para uma retirada ou abandono.


Outro fenômeno moderno no terreno afetivo é a questão do tédio precoce nos relacionamentos. Este fator está associado diretamente ao transporte do consumismo social para a esfera privada do indivíduo. É um tanto óbvio tal ocorrido. Como conseguiremos algo um pouco duradouro se nossa mente é corrompida diariamente pelo descartável produzido pelo desejo de consumo? Boa parte do fracasso nos relacionamentos é produzida pela falta de inteligência e percepção deste acontecimento diário. Que as pessoas gostam de nadar na ilusão até nem discuto, mas se cegar perante uma contaminação incisiva é no mínimo trabalhar para sua infelicidade própria. Em parte a própria psicologia explica o fascínio da pessoa pela dor e queixa constante, forçando o ambiente a consolar tal indivíduo tão desprotegido.


O ciúmes é eternizado em relação há inseguranças e fraquezas emocional do  indivíduo.Isso é uma análise superficial , porque o ciúmes o mais profundo sinal ou indício de uma futura ruptura ou perda. A pessoa presa de tal sentimento não visualiza que seu excesso nada mais é do que uma antevisão da ruína de seu projeto afetivo. O ciumento amplifica suas emoções negativas e traz também as do parceiro para seu caldeirão íntimo de sofrimento. Outra essência do ciúme é o mais puro complexo de inferioridade, pois a pessoa já intuiu que será derrotada neste campo, ou que poderá haver repetição de vivências dolorosas que já experimentou. Tal processo pode acompanhar o sujeito à vida toda, caso o mesmo não procure ajuda psicológica para desfazer tal trava emocional. E sobre a carência, como se desenvolve?A pessoa que cresceu sob a ótica de tal condição acaba desenvolvendo um mecanismo curioso de compensação. Ao mesmo tempo em que se sente negligenciada em seu direito afetivo histórico, têm a convicção interna de que algo muito especial ainda estaria por vir; o problema é dimensionar o tempo que irá suportar tal espera, sendo que o tédio ou desânimo não tardarão a assolar tal indivíduo. A carência é a exploração máxima da paciência e expectativa perante um retorno afetivo do outro, que pode nunca ser efetivado. É a interrupção plena da liberdade para escolher novas pessoas que possam satisfazer a necessidade de amor do indivíduo, sendo que o mesmo irá insistir na sua dor pessoal de rejeição e conseqüente reparação.




O sofrimento afetivo mais cedo ou tarde cobrará uma definição. Ou irá ocorrer uma busca desenfreada por algum tipo de reparação como foi dito, ou a energia será direcionada a algo novo. O apego é o pilar máximo da sustentação do processo da carência. É fato que boa parte do esforço infrutífero gasto por determinada pessoa diz de algo que jamais poderá ser reativado, ou mesmo que o fosse talvez não teria a mínima importância. Há duas formas de se lidar com a perda e todos já as notaram: nos tornarmos mais fortes e reagirmos com toda a tristeza oriunda do evento traumático, gerando um dever de melhorar em conflito com a dor; a segunda é a depressão propriamente dita, sendo a recusa da reação por não enxergar um sentido além do apego ao evento mórbido.




A trajetória emocional se assemelha à órbita elíptica de um meteoro que acaba sempre retornando infinitamente. É curioso que quando uma terapia retira em parte a angústia da pessoa, se volta exatamente ao ponto onde tudo começou, segundo inúmeros relatos de pacientes. Este é um dos segredos mais impressionantes da mente humana, devendo ser estudado a fundo. O conflito não segue uma órbita hipérbole, passando apenas uma vez perante determinado ponto, mas têm exatamente essa função de repetição de um espaço já percorrido. Foi exatamente esta questão que FREUD interpretou como a compulsão para repetir determinado evento traumático. O fato é que tal retorno se dá pelo lado afetivo recalcado, sendo que para FREUD a libido ou energia sexual seria o ponto de concentração energética mais forte do ser humano. O desejo se alimenta então justamente de seu oposto, a frustração, e se a mesma assolou o indivíduo de uma forma intensa, irá gerar um tipo de volição ou expectativa quase que eterna perante a realização de um fato almejado. Novamente se torna desnecessário dizer que o apego perante algo tão remoto bloqueará totalmente a capacidade atual da pessoa pela busca de seu prazer pessoal.




Está-se dizendo aqui que o lado emocional caminha em círculo, caso não seja quebrada sua estrutura neurótica. Sem dúvida alguma este é um trabalho que poucos se deram conta de sua necessidade de efetivação. É justamente neste ponto que entra o problema do amor, pois o mesmo deve ser algo totalmente novo e original com outro ser humano, no qual se confiará a experiência do desejo e prazer; caso não ocorra tal situação a relação se torna mera arena para se reviver todo o drama familiar passado e o mais legítimo complexo de inferioridade. A experiência real e profunda do amor implica em não se sentir tão afetado, humilhado ou destruído pelo passado.




Quando realmente podemos dizer que conhecemos nosso parceiro amoroso? Com toda a certeza quando conseguimos visualizar todo o seu potencial construtivo e destrutivo. Este último é freqüentemente confundido com a agressividade. Claro que não estamos falando aqui da violência física, mas tentando desmistificar o problema do que realmente seja a agressão. Uma das coisas mais cruéis nas relações é justamente a sedução perante uma pessoa e conseqüente retirada do relacionamento. Isto infelizmente já virou uma espécie de jogo sádico moderno. Ao invés de nos iludirmos constantemente com a beleza ou fascínio sexual por alguém, seria interessante avaliarmos a capacidade dessa pessoa para a reciprocidade. O mais perfeito retrato da sala de espera do inferno se dá quando um dos parceiros sente que o outro é o mais puro e ideal objeto de amor para o mesmo, porém, não ocorre à mínima seqüência ou correspondência. A análise do problema do amor não correspondido passa por vários tópicos, mas o principal é a escolha de uma espécie de ícone incapacitado para a troca. A busca pela beleza ou sensualidade que pode acarretar a não correspondência diz muito mais de uma pessoa imbuída de um profundo complexo de inferioridade, que busca na outra uma compensação de sua problemática, tornando-a um troféu que possa encobrir seu drama pessoal não resolvido. É a princípio um acordo mútuo entre duas pessoas extremamente ambiciosas, uma por ser venerada por seus dotes físicos, e a outra para provar aos outros sua glória por ter conseguido algo tão valioso apesar de sua limitação na autoestima; não precisamos lembrar que tal contrato possui uma curta duração.


Confesso que a coisa mais estranha ou sombria que ouvi na vida foi determinado relato de uma pessoa que disse ter encontrado o parceiro ideal, mas estava morrendo de medo do amor propriamente dito. É chocante tal relato justamente pelo sujeito intencionalmente abrir mão de uma experiência de quase puro êxtase. A primeira explicação já foi dada acima; a pessoa encara o amor como uma submissão ou inferioridade, buscando um parceiro que se doe muito mais do que ela. Mas como se manifesta o medo do amor nos homens e mulheres? Nos primeiros historicamente pelo desleixo, indolência e a infidelidade conjugal, dando uma mensagem explícita de que jamais criará raízes profundas em qualquer tipo de relação. Este problema está associado também à questão da timidez, pois tal distúrbio tem a característica de afastamento de todo tipo de envolvimento emocional profundo. O tímido apenas ensaia gostar e amar, sendo que sua meta principal é cavar apenas uma trincheira de isolamento e proteção perante o contato social. Seu medo central é passar por uma situação de prova, e o amor é o teste supremo da intimidade de um ser humano, assim sendo, irá renegar todo tipo de entrega, embora tal problema pertença a ambos os sexos.


Na mulher o medo do amor principalmente em nossa atualidade se dá pela agressividade ou qualquer tipo de cobrança irreal perante o parceiro. A própria condição hormonal da mulher é a mais pura prova disso. A tensão pré-menstrual exacerbada diz psicologicamente de uma mulher que reprimiu ou não sabe lidar com seu potencial agressivo, e a alteração hormonal é a válvula de escape para todos os seus instintos negados, tomando por completo a pessoa. É como um estado de embriaguez em que se expõe toda sua agressividade; esta no lado masculino visa à competição, embora as mulheres também adotem tal conduta. Mas para as mesmas a agressividade é o bloqueio central que interrompe a entrega. A análise psicológica profunda de tal conduta irá revelar que tal pessoa está revivendo longínquas experiências paternas com seu atual parceiro, onde o núcleo é definir emocionalmente a figura masculina como sendo raivosa, embora isto também não deixe de ser uma projeção de seu emocional. A catástrofe afetiva é a intersecção mórbida entre pai e amante, não um complexo de Édipo como a psicanálise enxerga, mas a convicção feminina de que o parceiro sempre a usou para desafogar seus mais sádicos instintos. A seguir começa a surgir o ódio e desejo de retaliação. Na verdade a culpa do homem por tal situação é encarar a afetividade como uma espécie de esquema bancário, achando que sua companheira tem o dever inato de suprir todas as suas necessidades pessoais, com o mínimo de troca possível, esta sim é a essência do chamado machismo, não desejar enxergar, ajudar ou colaborar com sua parceira. Para a mulher, restou o pânico atávico de se sentir usada o tempo todo.


O problema da mulher no campo afetivo e sexual é exatamente se sentir instável perante o poder que detém sobre o gozo e satisfação masculina. Outra contradição é se irá se aliar psicologicamente a uma mãe traída e denegrida pelo pai, ou se simplesmente realiza seu potencial amoroso. Como poderá se libertar da servidão voluntária e involuntária perante uma genitora queixosa e que usa freqüentemente sua infelicidade para manipular o ambiente? A questão central é se tanto homens e mulheres realmente conseguem investir no relacionamento, ou se tornam apóstatas perante o amor, apenas ruminando seu passado familiar infeliz. Todo o ideal do romantismo e religiosidade caem por terra, pois o ser humano jamais esteve preparado para a experiência do amor, lhe faltando à educação adequada para a execução de tal meta. O “analfabeto emocional” está encarcerado de todo tipo de sentimento destrutivo que aborta um relacionamento. Um projeto sério de alfabetização afetiva deve levar em conta todas as etapas do desenvolvimento humano. Nas crianças e adolescentes redobrada atenção em relação aos malefícios do mimo e narcisismo, pois ambos colocam a pessoa num patamar onde jamais conseguirão enxergar o outro. Os pais devem escolher se seus filhos serão especiais por competirem e humilharem seus rivais, ou então se estarão atentos e receptivos para uma troca onde todos tenham seu espaço e importância na relação.
Nos adultos o projeto eficiente de alfabetização emocional é desenvolver formas maduras de lidar com todos os tipos de sentimentos negados ou negativos: ódio, raiva, rancor, inveja, mágoa, tristeza, vingança, frustração, apego, saudade mórbida, dentre outros. Há também a necessidade de se perceber o custo na esfera afetiva no decorrer da vida, seja o preço a ser pago pela solidão, ou a carga que recebe da pessoa desejada, assim como o impacto de sua conduta emocional perante as pessoas mais próximas. A experiência do amor seria muito mais fácil para alguém que já a tenha saboreado plenamente no âmbito familiar. Embora tal conceito possa parecer um tanto antiquado, ainda é totalmente válido na dinâmica dos relacionamentos. Quando não se teve uma experiência de tão ampla magnitude e importância, a tendência é buscar fora do ambiente privado e familiar tal necessidade básica, com todo o atraso possível; o problema é que quando alguém procura algo imbuído de carência e privação afetiva, despertará ao mesmo tempo todo o sentimento negativo descrito anteriormente, pois o amor obedece também a condutas em conformidade com o desenvolvimento e crescimento da pessoa, muitos não percebem que clamam pelo mesmo de uma maneira totalmente inadequada ou infantilizada. A cura não passa apenas pelo encontro, até porque ninguém jamais terá certeza do amor em nossa era perante o parceiro, mas principalmente por se revelar e exigir que o outro tome atitude semelhante; desnudando seu ser.




Outro ponto indiscutível é que tendo ou não um relacionamento, quase todos estão tristes, descontentes ou insatisfeitos. Todos os elementos descritos neste texto dizem do correlato do amor, que é o ódio. Sentimento totalmente negado pela cultura e moralidade, mas que assola totalmente os relacionamentos. O primeiro passo para o incremento do ódio é não ter a consciência de que as pessoas mais íntimas é que colaboram para o crescimento de dito sentimento. O início sempre é algum tipo de contrariedade ou injustiça, passando para uma experiência de ligação diária e constante em relação ao objeto ou pessoa que causou a dor tão insuportável. Mas o ódio maior é quando se tem a certeza subjetiva de que o outro poderia completar totalmente a pessoa, mas se recusou em seu esforço ou competência para tal finalidade, conforme apontei acima. O ódio começa a surgir quando percebemos nossa miserabilidade afetiva, e o quanto está se mendigando afeto e atenção. O ódio é uma espécie de ritual ou neurose obsessiva, algo como um totem para que a própria pessoa o cultivando constantemente se lembre da experiência da dor e tente não repeti-la. O problema é que tal processo se torna quase que infinito; é como os orientais faziam uma alegoria de uma serpente comendo a própria cauda, o que representaria um ciclo interminável.




A devoção a um evento tão doloroso certamente nunca foi o melhor instrutor ou anteparo para não repetirmos determinada tragédia. A lembrança diária de um evento traumático em hipótese alguma forma uma blindagem para que tudo não possa se repetir, muito pelo contrário, o efeito é uma contaminação profunda do potencial emocional da pessoa. O preço do ódio passa pela amargura, e jamais alguém poderia acertar sua dose, pois a potência do mesmo é devastadora. Como seria possível usar um sentimento que já nasce com um déficit temporal? Se a reação é instantânea, advém a fúria com conseqüências gravíssimas, afora a culpa e arrependimento. Se optarmos pela espera da reação, o fato doloroso perde o sentido, e apenas resta o desejo de vingança. A grande descoberta é perceber primeiramente que talvez nossas escolhas não foram tão acertadas, pois acabamos atraindo indivíduos incapazes de compartilhar sonhos e desejos.


O ódio é essencialmente um cunho básico de projeção. É vermos a centelha mais íntima de nosso ser no outro com o aviso inexorável de quão difícil seria conseguirmos mudar, então partimos para o ataque e ruminação emocional dolorosa. A privação histórica de laços de ternura e demonstração de afeto é o combustível máximo de tal fenômeno. Retomando a questão da família, o ódio vai se solidificando à medida que seus membros vão fazendo um balanço completo de toda a agonia e miséria afetiva que experimentaram. Neste ponto começa um processo confuso e altamente neurótico, sendo a confusão de papéis fator reinante. A pretensa justiça pessoal se torna mesquinhez; a impulsividade totalmente efêmera; a vingança denota apenas uma prova de apego inútil e imaturo, aliado ao medo da incapacidade para criar ou recomeçar. Qual seria então o equilíbrio entre não vivenciar o caráter rancoroso corrosivo do ódio e também não insuflar o espírito pessoal com uma sensação eterna de injustiça e indignação que fazem mal do mesmo jeito? Para responder, temos de retomar a questão da culpa, pois a mesma foi e é um dos principais fatores da socialização e permanência da civilização, caso contrário, teríamos uma eterna luta pela supremacia ou complexo de superioridade.


De certa forma, é o que vemos no meio social, assim sendo, a culpa passa a ser o bônus incompleto que a biologia, genética ou antropologia deixou de legado para que o ser humano pudesse avançar para um outro plano de relacionamento. A civilização ao contrário do que FREUD descreveu, não é a sublimação da sexualidade para fins culturais, mas meramente o controle do ódio entre seus membros; sendo a manipulação plena do instinto para a sobrevivência do ego pessoal e que tal ato também traga um benefício coletivo. Crescer sozinho é apenas competição ou isolamento, sendo que a verdadeira evolução ou revolução é o transporte de características adquiridas e autoconhecimento para um patamar em que várias pessoas compartilhem uma experiência de êxtase perante a descoberta do sentido da existência pessoal e formas de manejar a sobrevivência sem aniquilar seus semelhantes. O objetivo final não é desanimar ninguém, mas que todos percebam a dialética da busca do prazer; sem a alfabetização emocional mencionada, a suposta satisfação se torna privação, o gozo, recalque, a convivência, palco constante de luta e conflito, e o desejo se tornará um instrumento de desenvolvimento de doenças psíquicas e físicas
Mais importante do que procurar a gênese do ódio é descobrir a necessidade de agregação do mesmo em determinada pessoa ou evento. O chamado “foco do ódio” é a máxima liberdade para a consecução do êxtase do espírito destrutivo, aniquilando por completo a rivalidade ou a frustração que alguém pode causar. A ciência da psicologia até o presente analisou o fenômeno como sendo a necessidade do sujeito de se tornar vítima; embora tal visão esteja mais do que correta, é fundamental se acrescentar um fato: o impulso ou imperiosidade de se arquivar uma reserva mental destrutiva. Mas em que circunstância seria utilizada? O ódio pode ser uma defesa prévia contra qualquer tipo de ataque ou rejeição, assim como assinala a dificuldade de determinada pessoa em preservar seus relacionamentos. Ambos traços de caráter assinalados vivem constantemente a tragédia, mas o ódio também é uma fronteira hermética contra o desespero, que é a prova final do esforço infrutífero na capacidade pessoal de despertar interesse para alguém. Nossa cultura estabeleceu uma associação religiosa quando se fala em ódio, trazendo sempre em paralelo a questão do perdão. O mesmo se tornou um mero instrumento propagandístico para todas as religiões, pois muito mais importante do que falar em perdão é verificar se a pessoa tem estrutura e condição psicológica para efetuar tal tarefa. Esquecer o evento traumático é superar a sensação de miserabilidade na mais íntima esfera pessoal, desenvolvendo recursos que sempre assinalem para o indivíduo que ele pode novamente recomeçar. O perdão só é viável quando seu pilar mais forte, o apego é atacado frontalmente; o grande problema é que o esquema social acarreta uma imensa sensação de déficit na área do prazer e realização pessoal.


A coisa mais comentada pela psicologia e conseqüentemente receitada em um século de sua existência foi o preceito de que a pessoa deve lidar melhor com sua ansiedade, angústia ou com tudo o que a chocou, mas como isto é possível, com tantos processos paralelos e sabotadores da paz de espírito? Esta sem dúvida alguma é a pergunta suprema e inacabada para a cura ou profilaxia de todo conflito ou neurose. A psicanálise advogou a necessidade de remoer as antigas experiências infantis no sentido da pessoa perceber que sua energia está retida em determinada etapa do desenvolvimento humano, ou como FREUD dizia, manteve “tropas em excesso” em determina área que clama a todo o momento por uma satisfação ou descarga. A psicologia comportamental enfatizou que o sujeito deveria mudar sua conduta diária, no sentido de perceber que suas atitudes estão completamente viciadas para a obtenção do crescimento e satisfação pessoal. Não se trata de desenvolver a força de vontade propriamente dita, mas que a pessoa perceba a importância e impacto de como age perante seu meio; como suas ações se transformaram num ritual de prejuízo pessoal. Passado e presente não deixam de ser a dicotomia ou luta de opostos para a obtenção de uma melhora psicológica. Tanto a pessoa que não consegue repor sua origem familiar de carência, quanto àquela que não consegue alterar um comportamento inadequado, sofre em demasia e isto é um fato absoluto. Mas neste ponto quero estabelecer um outro conceito da neurose.
Quando falamos em distúrbio neurótico, não podemos apenas pensar em sintomas ou conflitos. Temos de entender que a neurose atinge o ápice quando em todas as áreas que a pessoa atua (profissional, afetiva e sexual), o resultado é o mais puro “stress” para si mesma ou o meio circundante. A parceria de ambos os fenômenos nos dá uma dimensão segura de que a pessoa não consegue manter o equilíbrio ou controle sobre sua conduta e regularidade da satisfação. O que poderíamos chamar de suposta “felicidade”, é constantemente inundada por todo o tipo de vivências ou lembranças de carência ou privação. A neurose em última instância é a compulsão inconsciente para sabotar o ritmo biológico e mental, desprezando a autoestima e anulando o autoconhecimento. Convencionou-se o preconceito que ir ao psicólogo é sinônimo de distúrbio ou loucura; a cada dia penso exatamente o oposto, há um fosso intransponível entre ambas, pois a terapia é um espaço primordialmente para uma reflexão lúcida acerca dos sentimentos e condutas que afetam o indivíduo e as pessoas ao seu redor. A terapia serve para os que não fizeram seu dever de casa nas seguintes áreas: amor próprio, afetividade, sexualidade e poder pessoal. Serve ainda aos que se conscientizaram de que seu mais profundo desejo se transformou num quebra-cabeça pela dificuldade de realização, mas que a energia que o mantém permaneceu intacta no transcorrer da vida da pessoa (isto é a esperança no mais profundo grau). A loucura propriamente dita necessita ser tratada num espaço onde se possa manobrar a imperiosidade da socialização da pessoa humana, isto não significa a internação, mas apoio grupal para o resgate das potencialidades da pessoa


O amor é o mais tenro e frágil sentimento que a qualquer instante é soterrado por todos os seus acompanhantes negativos descritos neste estudo. Se afastar da visão ingênua do romantismo é perceber o quanto o amor é quebradiço e necessita de um cuidado constante, ao contrário do que estamos acostumados a vivenciar, como uma espécie de paixão que podemos nos regozijar a vontade, sem nunca cessar seu fluxo. Já o ódio reflete a dicotomia entre o complexo de superioridade e inferioridade como dizia o psicólogo ALFRED ADLER; Ambos os fenômenos mantém uma estreita relação de interdependência. Se alguém se julga inferior, pode complementar tal falta com um desejo de superioridade econômica, estética ou sexual; o contrário também é válido, a pessoa que se sente num patamar superior pode desenvolver todo tipo de culpa e arrependimento que a coloque novamente num patamar inferiorizado. O ódio retém uma longínqua defasagem na questão da autoestima. As primeiras fases narcisistas do desenvolvimento da criança são a pista segura para tal tese. O ódio se desenvolve justamente quando se sente que a figura julgadora e que poderia reforçar tal narcisismo infantil foi omissa. Advém então a cólera, forçando o ambiente a proporcionar o que lhe é devido. A antiga necessidade de exclusividade e liderança agora desponta num déspota em seu círculo emocional.


Repetir e viver intensamente a dor agora é o motivo pleno da vida do sujeito. Foi literalmente excluído de seu direito ao prazer ou uma vida regular de satisfação. É neste exato ponto que a intervenção terapêutica deve ser radical, combatendo não apenas o vício de sua visão pessimista e sombria, mas mostrando à pessoa que constantemente sabota aquilo que mais procurou. Desenvolveu a intolerância perante o fluir das emoções, abdicando do gozo pessoal pela competição e disputa de poder, se tornando o mostruário exato dos processos econômicos e sociais perpetrados diariamente em nosso meio.




O ódio se alinha totalmente a um desejo de liberdade frustrado. A saída seria concentrar a energia no potencial próprio visando novas etapas de criatividade e desenvolvimento; porém não é o que ocorre, sendo que a reação de rancor e o investimento no confronto são o que prevalecem na maioria das vezes. Lembro-me de um sonho de um paciente que ilustra categoricamente tal afirmação: “sonhei que vários indivíduos construíam foguetes particulares para irem a lua e outros planetas como marte, por exemplo; boa parte morria na jornada por a nave não ter estrutura e oxigênio suficiente; apenas alguns retornaram; sendo que na exploração descobriram perigos inimagináveis para a raça humana; eram totalmente negligenciados na volta e não obtiveram nenhum apoio governamental”. Sem dúvida a mais profunda coragem é o rompimento; mais ainda se pensarmos no desafio perante a única controladora do processo espacial no mundo; este é um sonho em que o desejo de liberdade atinge seu ápice. A essência da neurose como descrevi no texto é esta: a luta interminável para desenvolver uma meta nova em vários campos versus o conflito por reaver o que se sente retirado e negado. Coragem então é o avanço, e a neurose é não somente a pedra neste trajeto, mas o total desânimo e desconsolo para o recomeço.


(psicólogo Antonio Carlos Aleves de Araújo) texto baseadoFREUD, SIGMUND. O MAL ESTAR DA CIVILIZAÇÃO E ALÉM DO PRINCÍPIO DO PRAZER. OBRAS COMPLETAS. MADRID (ESPANHA): BIBLIOTECA NUEVA, 1981.